domingo, 12 de julho de 2009

OSHO - Vida, Amor e Riso


Ser Louco e Ser São
O Mundo tem conhecido pessoas tão bonitas, tão loucas! ... na verdade todas as grandes pessoas no mundo foram um pouco loucas - aos olhos da multidão. Suas loucuras tiveram expressão porque elas não eram miseravéis, elas não tinham medo da morte, elas não estavam preocupadas com o trivial.
Elas estavam vivendo cada momento com totalidade e intensidade e, por causa dessa totalidade suas vidas se tornaram uma linda flor - elas estavam cheias de fragancia, de amor, de vida e de riso.
Mas isso fere milhões de pessoas que estão ao seu redor. Elas não podem aceitar a ideia de que você tenha alcançado alguma coisa que elas perderam. Elas tentarão de todas as maneiras torna-lo infeliz.
É preciso reunir coragem e se as pessoas disserem que você é louco, divirta-se com a ideia.
Diga a elas:"Você está certo, neste mundo somente pessoas loucas podem ser felizes e alegres. Eu optei pela loucura juntamente com a alegria, com o êxtase, com a dança. Você optou pela sanidade com a angústia,com o inferno - nossas opcções são diferentes. Continue São e pareça miseravél; deixe-me só na minha loucura".
É apenas uma questão de tempo. Breve uma vez que elas o tenham aceitado como louco, elas não o perturbarão mais; então você pode se revelar à plena luz com seu ser original - você pode abandonar todas as suas falsidades.
... temos de mostrar uma face para a sociedade, para a multidão, para o mundo - não será necessariamente a sua face real. Na verdade não pode ser a sua face verdadeira.
Você tem de mostrar a face que as pessoas gostam, que as pessoas apreciam - suas ideologias, suas tradições - e você tem de reter, para si mesmo, sua face original.
... e a sociedade cria medo em todo o mundo ; o medo da rejeição,o medo de que alguém possa rir de você, o medo do que as pessoas possam dizer.
Você tem de se ajustar a todo o tipo de pessoas cegas e inconscientes, você não pode ser você mesmo.
Essa é a nossa tradição básica ... ninguém tem a permissão para ser ele mesmo.
No momento em que o outro está presente você está menos preocupado consigo mesmo; você está mais preocupado com a opinião do outro a seu respeito.
Quando você está no banheiro, você se torna uma criança, pode até fazer caretas no espelho, mas se de repente alguém, até mesmo uma criança pequena, está olhando pelo buraco da fechadura, você imediatamente muda, fica sóbrio, fica sério como as pessoas esperam que você seja.
E a coisa mais impressionante é que você tem medo delas e elas medo de você: todos temem a todos. Ninguém está permitindo que seus sentimentos, sua realidade se expressem.
Sua realidade é apenas com seu próprio Ser. Não vá contra ele pois é cometer suicídio, é destruir a si mesmo ... você está só no mundo,você veio só ao mundo, está aqui só, e você deixará este mundo só.
Todas as opiniões alheias ficarão para trás, somente os seus sentimentos originais, as suas experiências autenticas acompanharão você até mesmo além da morte.
Nem mesmo a morte pode tomar a sua dança, as suas lágrimas de alegria, a beleza do seu estar só, o seu silencio ... a sua preocupação exclusiva devia ser cuidar e proteger aquelas qualidades que você pode levar consigo quando a morte destruir seu corpo, sua mente.
Elas são os únicos valores verdadeiros, e as pessoas que as alcançam, somente estas vivem, as outras apenas fingem viver.

Osho - Vida, Amor e Riso


1 comentário:

Anónimo disse...

Adorei o livro...leiam faz bem à alma.