terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

A Gratidão não é coisa de pouca Monta - Séneca

Ninguém poderá ser grato se não desprezar tudo aquilo que excita a atenção do vulgo: se quiseres, de facto, retri­buir um favor terás que estar disposto a enfrentar o exílio, a derramar o teu sangue, a resignar-te à indigência, a con­sentir mesmo que a tua inocência seja posta em causa e se sujeite a infames boatos. Um homem grato não é coisa de pouca monta.
Habitualmente, a nada se dá mais valor do que a um benefício enquanto o solicitamos, mas a nada se dá menos valor depois de obtê-lo. Sabes o que ocasiona em nós o esquecimento dos favores recebidos? É o desejo daqueles que procuramos obter! Não pensamos no que já conseguimos, mas só no que ainda procuramos alcançar.
Somos desviados do caminho recto pelas riquezas, as hon­ras, o poder e outras coisas mais que a opinião comum considera valiosas mas que em si mesmas nada valem.
Séneca, in 'Cartas a Lucílio'

Sem comentários: